A rédea solta

No cair do Comunismo Russo – será que na invenção do mesmo houve outro tão puro como este?; ao que se chamava de Nomenklatura, quando o Império da imposição cai e Gorbachev se vê encurralado por Iéltsin, surge a nova geração soviética dos oligarcas – ambiciosos e despudorados milionários surgidos da ascensão do capitalismo selvagem, reconhecidos pela sua forma táctica de gerir os despojos desse Império à deriva de um sentido.

Numa selvagem tradução de significado, seriam os yuppies surgidos na Era Reagan e o seu Livre Comércio nos anos 80 em Nova Iorque.

Num país cujo mercado vivera os últimos setenta anos em regime semi-aberto – para não negar a realidade de ser fechado a uma realidade despótica onde o Grande Líder denominava a Pravda – verdade; sem que houvesse uma real contradição de facto sobre um hipotético exterior real ao de uma estepe siberiana, o resto do que seria a Libertação era um Gulag.

Se o Partido Comunista vivia o final da década de 80 a fingir um regimento de sobrevivência, os recém auto-denominados oligarcas, encabeçados por Anatoly Chubais dominavam uma paisagem de hostil capitalização necessária frente a múltiplas indústrias falidas.

Claro que a sua vontade de salvadores patrióticos não é tão bela quanto uma descrição poética e honrada ao estilo dos velhos heróis caídos do Regime Comunista. Pelo contrário. O oligarca resume justo isso, um magnata que forma riqueza de forma pouco transparente, explorando a oportunidade dúbia de uma situação de desespero alheia.
Só que enquanto a Nomenklatura o fazia baixo o olhar aprovador do Grande Líder, aqui o desbravar do território selvagem é feito à revelia de uma insurgência que se impunha.

E na verdade o líder era Iéltsin, de rédeas na mão.

Ele foi o responsável pela transformação da economia Socialista Russa numa economia de mercado aberto, implementando a chamada “terapia de choque”, com programas de privatizações e liberalização económica.
As empresas Estatais foram privatizadas e as suas acções vendidas aos cidadãos como forma de serem eles os donos das mesmas, num esquema em que cada russo recebia um bónus, representando a sua parcela da riqueza nacional.

Como a economia aberta era selvagem e desregulada, além das empresas privatizadas estarem completamente falidas, as acções vendidas ao público não valiam uma fracção daquilo que o bónus indicava.
O resultado?
Empresas que foram privatizadas por grandes valores, eram agora adquiridas pelos oligarcas, comprando acções individuais, a preços absurdamente baixos.

Hiperinflação ou outras contingências para empréstimos? Não há problemas. O séquito de oligarcas que Iétsin via como um mal menor, comprava Bancos para os financiar.

No espaço de 6 anos, de 1989 a 1995, a paisagem económica Russa, assim como os seus hábitos, tinham mudado.
Todos queriam um carro, um Lada, e Boris Berezovsky assegurava o preço acessível no mercado.
Gasolina? Mikhail Khodorkovsky, acessor do Presidente, tornado independente, era agora dono da ex-Estatal Yukos, a gigante petrolífera Russa.
A televisão pública era posse privada de Vladimir Gusinsky, e a informação difundida era verdadeira sem ser a velha pravda de imposição.

Mas o jogo de interesse político começava a ficar cada vez mais perigoso.
Os interesses em não se querer mostrar a realidade que sustentava a elite das datchas e vida sumptuosa começava a ser demasiado.

Apesar do auge capitalista Russo ser em 1996, tudo se desmorona – aparentemente; quando no final de 1999 Iéltsin renuncia a Presidência da Federação Russa e Vladimir Putin é feito o seu presidente interino.

No ano seguinte é eleito Presidente e promete recuperar os valores Nacionalistas Russos, de um tempo ido. Da memória Czarista.

A economia de capitalismo selvagem – que a Esquerda apelida de neo-liberalista; na Rússia pós Comunista acaba por estoirar e desencadear aquilo que sempre provoca quando a vida é vivida em aberto: corrupção e apropriação indevida do que não nos pertence.

Íéltsin perde a rédea a tudo e a Rússia está ao desbarato.

putin'o the ritz.jpg

Putin, num gesto altruísta desse seu novo poder instituído, declara guerra contra os Oligarcas que se apoderaram de uma Nação de Todos. Persegue aquilo a que se designa de corrupção capitalista. Aquela que instrumentalizou o bem do Povo em nome pessoal.

Os ricos oligarcas são detidos, presos. Os que têm sorte fogem.

Khodorkovsky, Presidente da Yukos, é detido por fraude fiscal e lavagem de dinheiro em 2003, sentenciado em 2005 a 9 anos de prisão, saindo apenas em 2013, exilando-se na Suiça, país com o qual a Rússia não tem acordos de extradição.
E no fundo foi isso que todos fizeram. saíram da sua Pátria Mãe e fizeram-se ricos dissidentes com os espólios de uma brecha oportunista da queda de um Império podre.

O Novo Império começou a 7 de Maio de 2000, quando o ex Tenente Coronel da KBG se torna Presidente de uma nova Rússia, mais livre, mais igualitária.
E onde os oligarcas ou são aliados do poder, ou se chamam, como antes, Nomenklatura, pois os velhos hábitos Imperialistas são bons de se manter.

Como a rédea curta.

Aquela da aparência: em se dizer algo e fazer justo o contrário.

Anúncios

4 Comments Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s