A Caixa de papelão

A estapafúrdia comiseração neo-matriarcal que a pobreza do espírito destes que acham que a chapada de D. Afonso Henriques à Senhora sua Mãe foi facto concreto, fazem-nos cair neste novo Portugal em que as dores de muitos servem para a hipocrisia de alguns.

Auspicioso princípio moral, nessa retórica aparente de aceitação, onde uma das manas Mortágua – seguro aquela que mais de economia aparenta saber – vem admitir que uma revisão ao Orçamento de Estado lhe parece necessário, quase corriqueiro, tratando-se de se salvar a Caixa Geral de Depósitos, esse banco cujo a gestão, no ver da Esquerda Nacional, sempre foi questionada ad nauseum como uma jogada de Casino.
Este aceitar, quer do Bloco de Esquerda, quer do PCP pelo sepulcral silêncio relativo ao orçamento rectificativo – pese embora a sua preocupação com o eterno sindicalismo vigente na Função Pública – revelam a fragilidade da dita Geringonça e do arrependimento vigente nesse acordo que existe para granjear eleitores em forças políticas à deriva.

A caixa de papelão que a Caixa Geral de Depósitos se tornou não é mais que obra dessa data que tudo alterou e uma nova supervisão impôs. Quando a 1 de Janeiro de 2015 o Banco de Portugal deixou de olhar para o Banco Público como o porta moedas de um país que sucessivamente se endividou para, politicamente, satisfazer planos político ideológicos, veio à tona décadas de uma gestão pontuada por excesso em nome da Pátria Portuguesa.

Chapada.jpg

Vou citar o que escrevi a 20 de Junho passado, para que esta amnésia colectiva, num verão quente demais, parece fazer esquecer.

(…) Portugal chegou à bancarrota em 2011 porque os seus bancos – incluindo o maior deles, a Caixa Geral de Depósitos – emprestavam crédito barato e sem risco, alavancando sempre nessa promessa de que tudo iria correr bem. Não correu. Não se simulou a Leste para atacar a Oeste.
As jogadas de casino – como a Esquerda lhes gosta de chamar – não foram um exclusivo da banca privada e o Banco Público fartou-se de promover uma extensa carteira de crédito a tudo e todos jogando fichas arbitrárias nesse garante de estar protegido pelas suas perdas serem pagas pelos contribuintes.
O problema sério é que os cofres Públicos esvaziaram-se e os contribuintes já não têm mais como pagar a dívida que os próprios geraram nessa oferta que o “seu” Banco Público lhes fez. (…)

Agora buscam-se político culpados. Buscam-se Directores, Executivos, Agentes Comerciais, Banqueiros, bancários, profissionais do ramo que, de uma forma ou de outra, ao representarem a memória machista de D. Afonso Henriques, deram uma chapada na Pátria Mãe para conquista uma dívida impagável que nos levará a nova bancarrota.

Pior, com a complacência e aceitação feminista de quem antes vociferava a plenos pulmões ser a Esperança de uma Caixa tão sua.

Anúncios

One Comment Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s