Hino infractor

Se tu falas muitas palavras subtis, e gostas de senhas, sussurros, ardis.
A lei tem ouvidos pra te delatar nas pedras do teu próprio lar.
Se trazes no bolso a contravenção, muambas, baganas e nem um tostão.
A lei te vigia, bandido infeliz, com seus olhos de raio-x.
Se vives nas sombras, frequentas porões, se tramas assaltos ou revoluções.
A lei te procura amanhã de manhã com seu faro de dobermann.

E se definitivamente a sociedade só te tem desprezo e horror.
E mesmo nas galeras és nocivo, és um estorvo, és um tumor.
A lei fecha o livro, te pregam na cruz, depois chamam os urubus.

Se pensas que burlas as normas penais, insuflas, agitas e gritas demais.
A lei logo vai te abraçar, infractor com seus braços de estivador.
Se pensas que pensas, estás redondamente enganado…

Porque a amizade entre iguais, malfeitores, improváveis traidores, cedo ou tarde cai no goto da vil populaça em busca do estorno dessa vossa ameaça.
És preso comum.
Na cela faltava esse um.

face_off.jpg

A conexão transatlântica não é mais um cabo telefónico que une Portugal e Brasil em chamadas telefónicas de retorno sonoro onde o favor é a saudade do sabor gastronómico.
A voz que se cruzou pelos ares agora tem tom de trama putrefacta.
De crime de tráfico de influências.
Do favor entre amigos que se correspondem e prefaciam os ditos moralistas de quem se sente torturado em Democracia.

Luís Inácio Lula da Silva está a ser investigado por similitudes ideológicas de trocas de favor que lhe rechearam o bolso, tal como Sócrates.
Apenas mudam os montantes e a forma de desvio.
A igualdade é a conexão directa que se estabelece.
Há voos intercontinentais, telefonemas, amigos do peito, recomendações e empreiteiras com contractos benevolentes.
Há a Camargo Corrêa, o Grupo Lena, Armando Vara.
Há a Andrade Gutierrez, a Oi, a PT.
Há a Odebrecht e as palestras com algo mais.

E um Pedro Passos Coelho que, afinal, não foi corrompido.
Ou pelo menos o negócio em que se diz ter-lhe sido pedido que intercedesse em nome de outrem, não ter ido para as mãos corruptas.

O cerco aperta, e desta vez escapa à capacidade persecutória que a figadite Lusa coloca em Juízes e Procuradores feitos de encomenda.

O PTista Chico Buarque escreveu o Hino de Duran e da repressão, acima apropriados por mim, numa presciência única daquilo que é a verdadeira Opera do(s) Malandro(s).
Resta saber o desfecho desta obra.
Será maladragem ou uma Opera Bufa?

Anúncios

2 Comments Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s