Comecei a’Farpa em 2014 com um texto oportunista para aquele que hoje escrevo como sinal dos tempo que passaram e demonstram o ranço institucional que se vive. Nessa primeira crónica, a 11 de Novembro, escrevia como a opinião pública “é uma falácia feita para acreditar que não existe o individualismo e capacidade de cada um tirar as suas ilações e pensamentos únicos, assim como questionar tudo aquilo que se lhe apresenta como facto concreto”; que ela era, é, seria (…) “a condição que se impõe a quem nos governa e quem toma escolhas por nós. Essas pessoas é que determinam o que é a verdade dos factos apresentados e dão ecos de realidade ao que a imprensa publica e diz ser verdade.”
Só que se a opinião pública existe, é na publicada que vê o seu verso, reverso de uma máquina propagandística a mando partidário onde um Governo lança mão totalitária em tempos de pandemia.

Aquilo que hoje ocorre, de se ver o Estado como ente patrocinador da Comunicação Social, é de uma tal abjecção que corre em incúria pela falta de isenção palpável.
15 milhões de euros do Erário Público em troca de publicidade Estatal?; de Opinião Publicada?; desse toma-lá-dá-cá sem critério de referência transparente e fundo de suspeita nepótica?
Empréstimos em troca de patrocínio é agiotagem, quase um latrocínio declarado do que se supõe ser um Estado de Direito Democrático.
Isto sem mencionar que esse dinheiro se torna o garante de sobrevivência de Empresas cujas situações económicas pré pandemia já reportavam prejuízos.

(note-se que a maior fatia do empréstimo vai para as empresas que fazem parte da Plataforma de Media Privados (PMP) quem determinou e aplicou os critérios da distribuição)

Duda Shin + FMP | 2015/2020

Nisto creio que o Observador, negando receber o apoio que lhe cabia – mais tarde acompanhado pelo jornal ECO -, teve a digna opção tanto editorial como de postura legal.
Cito: “O conselho de administração do Observador decidiu “não aceitar” o apoio governamental destinado aos media sob a forma de compra antecipada de publicidade institucional, cujos montantes foram publicados na terça-feira em Diário da República. Em comunicado (…) argumenta que não só “nunca solicitou este tipo de apoio” como “este programa não cumpre critérios mínimos de transparência e probidade para que o Observador possa aceitar fazer parte dele”.”

Nunca a Opinião Publicada se deveria fazer refém do Estado.
Triste que em Portugal há parte que, descaradamente, faça.
Um brando costume que se faz opinião pública.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.