Os retardatários

“A evolução cultural é proporcional ao afastamento do ornamento em relação ao utensílio doméstico.”

Devia ter uns 16 anos quando li uma versão brasileira daquele que mais tarde descobrir se chamar “Ornamento e Crime”, o Magno Opus de Adolf Loos, uma violenta crítica à Arquitectura do ornamento excessivo e sem princípio que não o estético na época da Secessão Vienense do virar do século XX.
Há época guardei na memória um título mais amistoso, ‘Ornamento e Delito’, pois não encontrava os ecos de tal crime na nobre arte que via em excesso vrs o utilitarismo depurado das formas que logo após se viam em voga na República de Weimar e a sua Bauhaus.
Foi preciso reler, quase 20 anos depois, esse “Crime” para compreender como ele existe e se implementa de forma prática quando aquilo que se propõe é o facilitismo da função na sua forma sem nunca revelar a dificuldade de atingir a sua depuração pragmática.

Loos

“A velocidade a que se dá o desenvolvimento cultural é prejudicada pelos retardatários, Eu vivo talvez no ano de 1912, mas o meu vizinho vive no de 1900, e aquele ali em 1880.”

Tudo em nós é cultura, génese, influência.
Nada em nós é espontâneo.
A geração espontânea é esse mito que em Portugal, por exemplo, existe do anseio Nacionalista de 60 anos de ocupação Espanhola. Tudo mais é simbologia acessória que se repete numa espiral cônica ovalada ascendente.
E assim do nada, nesse nicho que em contra relógio surge, o retardatário se apresenta. Ele que não gosta da economia de meios e onde pode, gasta no acessório e supérfluo.

“Estes retardatários atrasam o desenvolvimento cultural dos povos e da humanidade. Sob o ponto de vista econômico, pode-se observar o seguinte fenômeno entre duas pessoas que vivem uma ao lado da outra e que têm as mesmas necessidades, os mesmos objetivos em relação à vida e os mesmo rendimentos e que pertencem a duas culturas diferentes: o homem do século XX está cada vez mais rico, o ser humano do século XVIII cada vez mais pobre.”

Porque a cultura que fomenta o mercado económico é essa que se fecha na lógica economicista redutora da produção acessória. Neguemos a aproximação cultural em detrimento do separatismo ideológico. À técnica e engenho a miséria, à simplicidade mecânica tudo.

“O prejuízo que o povo trabalhador sofre por causa do ornamento é ainda muito maior. Uma vez que o ornamento não é um produto natural da nossa cultura, ou seja, uma vez que representa ou um atraso ou uma manifestação de degeneração, o trabalho do ornamentador já não é devidamente pago” – ecos indevidos de apropriação cultural surgem no meu pensamento, como se os países fossem estanques por muros intransponíveis, lógica gráfica sem realidade telúrica – (…) “O ornamentador tem de trabalhar 20 horas para ganhar a salário que um trabalhador moderno aufere em 8. Em regra, o ornamento encarece o objeto e, mesmo assim, acontece muitas vezes que um objeto ornamentado, acarretando o mesmo custo em material e comprovadamente o triplo das horas de trabalho, é posto à venda por metade do preço de um objeto “liso”.”

1912, morte ao adorno que sustenta uma indústria. A Revolução Industrial que se re-invente e propague à extinção do Homem. Os retardatários são aqueles que ‘perdem’ o seu tempo, devotos a uma cultura e arte. Neguemos-lhes o seu tempo. Questione-mos o seu preço. Criemos as bases para condicionar o seu valor.
Extrememos a sua ‘lisura’ profissional.

“O ornamento é um desperdício de mão-de-obra e, por isso, um desperdício de saúde. Foi sempre assim. No entanto, hoje o ornamento também significa desperdício de material e ambos significam desperdício de capital.”

Centremo-nos em nós. Na matéria prima Nacional, produzida localmente, trabalhada pelas mãos que nos criaram, no tempo que nos reduz à significância da existência material do dia em que dizemos ser poucochinhos.
Que ornamentos são o nosso desperdício e quais aqueles a mão-de-obra correctente aplicada para não iludir a um escapismo extremista como Loos propõe?
Nem no excesso se encontra a solução nem no seu oposto. Os dois se encontram na balança que nos pesa.

Damos por nós e somos os retardatários utilitários em excesso.
Meros “utensílios domésticos sem utilidade pragmática”. Votamos por votar. Sem sentido da estética cultural que se propõe ou estabelece.
Queremos sempre a solução imediata sem para ela trabalharmos, tal qual objecto adornado, valor excessivo – e meritório – quando o simples sucedâneo nos serve melhor.
A pergunta é, até quando?

1912 poderia ser 2019, ou com isto 2020. Uma Sociedade regida pela vontade em buscar a simplicidade programática com objectivos imediatos a todo o custo, mas onde o trabalho para lá chegar é esquecido na memória da história passada.
Somos eternos 60 anos, 1640 revisto em 11 segundos de silêncio abrupto, na espera que os retardatários sejam outros, nunca nós.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s