‘¿Todavia amigos?’

Em Fevereiro de 2015 escrevi a crónica ‘¿Podemos ser amigos?’, num balanço do momento vivido então sobre Portugal e o seu mundo.
Mas o mundo de Portugal de então fez-se a Globalização que as Descobertas o foram séculos antes.
Tudo agora reside em ser amigo de alguém, na cunha da proximidade, no caracter que define a ética Republicana como vergonha e não distanciamento.
E afinal quem é amigo de quem? Ou ‘¿todavia amigos?’

Farei o exercício passado e pela Venezuela começo.
Há fome, convulsão e guerra civil, pontuadas por intervalos televisivos em que Maduro logra comer o que o seu povo não tem sequer acesso a ter.
A reeleição d‘el Presidente’ num Estado Democrático em que a Ditadura se faz presente, nem se questiona. Questiona-se a amizade de quem sustenta o delírio de político instalado.

Sócrates transformou-se num não assunto político, apesar das ligações por ele deixado demonstram bem a amplitude da amizade existente.
Mário Lino e Manuel Pinho, a dupla ‘Pino Lino’, são agora arguidos em casos onde a corrupção, o rumo à intervenção no Banco Espírito Santos e a suspeita de branqueamento de capitais são enfoque de um País que em 2011 foi à falência.
Sobre os computadores Magalhães, seja na Venezuela ou por aqui, apenas a longínqua memória de um rotundo falhanço.

Mas há memórias que não falham sobre as amizades politicas que se mantêm.
Pablo Iglésias mantem a linha dura sobre o pensamento político em relação ao Socialismo séc XXI, ainda que as manhas articuladas do consumismo à la gauche caviar o tenham exposto à verdade sobre quem vive do ‘faz o que digo, não faças o que eu faço’.
Um chalé de 600 mil euros para o líder do podemos e a sua namorada, Irene Montera, grávida e os seus três cães é algo que vai em contra aquilo que ele anos antes criticou.
¿Entregarías la política económica del país a quien se gasta 600.000€ en un ático de lujo?
Parece que sim. Os seus discípulos vão a votos, aguardamos o desfecho de uma narrativa que se conta por si só.

 Só que a inércia da amizade que parece servir como justificação do gasto alheio, ou nessa senda que justifica o Socialismo das Esquerdas Populistas, perde-se quando vemos o abandono ideológico  – direi mesmo trespasse – dado ao Syriza.
Quem é Alexis Tsipras? Os Deuses do Eurogrupo passado caíram-lhe em cima sobre a forma daquilo que o agora novo amigo português de pronto se tornou.
Veja-se o pino ponte que Mário Centeno deu, dá e dará, ao se tornar em Ministro das Finanças Europeu. Por cá tudo bem, lá fora sinais do fumo que aqui arde.

Amigos.png

Mas há o Primeiro Ministro estratega e negociador Costa, amigo de Sócrates ainda que não das suas circunstâncias, um amigo de Pedro Siza Vieira e cuja amizade expõe o modus operandi que o Partido Socialista congrega nessa memória espúria de um Portugal feito refém de negociações de conveniência.
É que se não estamos à Esquerda do ‘ainda somos amigos’, garantidamente ficamos na lembrança dos amigos que tudo nos dão, porque de 2015 para cá as amizades permanecem as mesmas.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s