A Moeda e a Dívida

Abel Pinheiro.jpg
Aquando da decisão da criação da moeda única, em Maastricht, o meu querido amigo Victor Cunha Rego pediu-me duas linhas acerca das consequências que teria para os países aderentes a criação de tal novo meio de pagamento.

Ciente de que a História nos dá Lições, escrevi sobre as guerras púnicas, encerradas com a conquista pelo General Romano Cipião da cidade de Cartago.
A primeira consequência foi a imposição de uma única moeda: a da República Romana.

worthless.jpg

A lição que retirei desse histórico acontecimento foi a de que a perda da moeda é a destruição de um instrumento de poder insubstituível. O emissor da moeda que passa a vigorar, regula-lhe os fluxos e as taxas de juros que lhe sejam mais convenientes.
Daí o titulo destas duas linhas: quem não tem moeda própria está sujeito às taxas de juros do emissor.

Para a União Europeia é claro que o emissor tem nome: Alemanha. As conclusões serão tiradas por cada um dos leitores tão logo a inevitável subida dos juros na Alemanha se repercutir nas nossas contas, nomeadamente no custo da pesada dívida pública.

Abel Moura Pinheiro

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s