Fátima, Futebol, Falência

O sintoma já é mais que o anterior sintomático.
Não são os três F’s costumeiros que a Nação Salazarista feita Salazarenta – dos que do tacho rasparam e depois com alegria a crédito o compraram esquecendo que a violência psicológica é a abstinência que o pensamento toma – opta na sua letargia habitual. Diga-se de passagem, há mais Futebol e Fátima nesta contingência bi-anual que qualquer Fado corrido faça supor. Venha a falência pois então.

A tríade dos F’s alinha-se bem com outra, tão reconhecida e que exemplifica bem o acto falho Português: Deus, Pátria, Família.
Sobrepostas determinam a Ocidental Costa Lusitana como a Pátria do Futebol, crente em Fátima, onde a Falência é Familiar.
E a verdade acresce ao anterior extrapolado.

CRISTIANO.jpg

Fala-se numa injecção Pública de 5 mil milhões de Euros na Caixa Geral de Depósitos, será rescendido o contrato 2500 funcionários, diz o Ministro das Finanças – cujo Governo se opôs a uma auditoria externa pedida pela oposição – que a oposição deixou um buraco de 3 mil milhões de euros nas contas do Banco Público, mas aquilo que realmente importa é Portugal estar na Final do Campeonato Europeu de Futebol.

Pior, a maioria parlamentar – mesmo para lamentar – que antes vociferava contra o executivo PSD-CDS sobre qualquer despedimento na Função Público, mexida salarial, regalias dadas fora da vigência e lei laboral, agora anda num confrangedor silêncio de oportunidade.
Entretêm-se numa corriqueira batalha sobre a Constitucionalidade obtusa de um hipotético referendo à permanência de Portugal na União Europeia, esquecendo que o poder de convocação cabe ao Presidente da República e não a um partido com mero assento parlamentar. Marcelo Rebelo de Sousa, por mais que faça analogias com cogumelos, continua um Europeísta convicto, ainda que, citando-o, “[está] sempre a aguentar o governo por uns tempos”

Mas qual é o tempo do Presidente Marcelo? É o tempo da recapitalização da Caixa, da aplicação das sanções de Bruxelas, da revisão do inexistente plano B que todos falam a portas fechadas e que fará subir o IVA ou aumentar de forma encapotada mais uns impostos indirectos que não afectam nenhum grupo social?
Não o fundamental é mesmo esquecer que em 2010 o défice deixado pelo Partido Socialista, a mando de José Sócrates, sendo o seu braço direito António Costa, foi de 11,2%.
Que importa que a descida conseguida tenha sido de 8 pontos percentuais?
Que importa agora o rumo de inversão sentido?

Interessa é dizer, sempre e repetido à exaustão: a culpa foi do anterior executivo.
É como se existisse uma quezília feudal sobre quem é mais Português, merecedor do pin na lapela. Há até quem os designe de os sancionalistas– eu diria que quem diz isto é mesmo uma sonsanalista -, sempre nessa índole populista do Patriótico quando a Nação vive em Comunidade.

Ou talvez não, o fundamental mesmo é que a final Europeia seja Portugal – Alemanha, ganhemos e seja uma cabazada contra a Nação Germânica, culpada última de todos os males que nos afligem! Afinal são eles a Falência Portuguesa, não tivesse a nossa última linhagem Real Portuguesa terminado quando a Rainha D. Maria II se casou com um descendente germânico de Weitten!

Anúncios

One Comment Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s