Era um triplex muito engraçado

Na narrativa musical infantil brasileira há uma música que todos conhecem bem. De seu nome A Casa, escrita por Vinícius de Moraes e musicada por Toquinho, descrevia essa engraçada casa sem tecto, sem nada. Onde ninguém entrava pois não havia chão, não havia paredes para colocar redes, nem penicos para fazer xixi.
Ainda assim ela era feita com muito esmero, na rua dos bobos, número zero.

Por mais estranho que possa parecer a casa do poema musicado existe. Ela encontra-se no Uruguai em Punta Ballena e chama-se Casapueblo. É uma inusitada construção edificada ao longo de três décadas onde o que não existia se foi construindo e onde não havia chão ou parede, foi surgindo para se entrar e prender rede.

Claro que o esmerado autor, o artista plástico e arquitecto uruguaio Carlos Páez Vilaró, não vivia na rua dos bobos número zero, mas a cifra da canção ficou e serve para agora encaixar no poema a cantarolar para o triplex que se viu edificar com um renovado esmero no litoral Paulista do Guarujá.

“Era um triplex muito engraçado” cantarão as crianças que daqui a uns anos virem o resultado final da investigação lava jato ao ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o apartamento no edifício Solaris que a Construtora OAS lhe ofereceu – assim como o dinheiro para a reforma e decoração levada a cabo pela sua esposa, a ex-Primeira Dama, Maria Letícia.

Se por terras lusas aquilo que levantou as suspeitas sobre o ex Primeiro Ministro Sócrates foi o seu modo luxuoso de vida em Paris, pelo Brasil o fio de uma meada complexa e intrigante, que já decretou 119 prisões, chegou a Lula através do luxo que ele a vida inteira disse recusar: um apartamento de elite branca no litoral Paulista.

Mas lá como aqui comprovar factos não é uma tarefa fácil, e se um amigo emprestar dinheiro a outro não é crime, que se dirá de uma multinacional construir e presentear um apartamento para um ex-Presidente?

triplex Lula.jpg

O ardil que se coloca, e que acaba por ser o mesmo que prendeu um criminoso tão gabarolas na sua culpabilidade de inocência como Al Capone, é a burocracia de que se pensam escapar pelo poleiro de poder que ocuparam.
A manigância do poder, a mitomania encartada, ou simplesmente essa crença num virtuosismo de inocência acaba por traí-los face à realidade incontornável.

Nem Lula nem Sócrates são as figuras de poder incontestável que se crêem. Eles meramente desempenharam esses cargos. E pelo que parece, na rua dos bobos, número zero.

Se no caso de Sócrates argumentei no passado que bastaria confrontá-lo com a sua declaração de que iria pagar a dívida – assumida – ao seu amigo, mantendo uma vida pública que não lhe permitiria tal ressarcimento; no caso de Lula a matemática pode ser feita de diversas formas, mas seguramente envolve o esquema piramidal que o condomínio onde se encontra o “seu” Triplex teve ao ser construído em Cooperativa – a Bancoop – e o dinheiro, a cargo do Partido dos Trabalhadores, ter sido desviado para pagar campanhas eleitorais.

Claro que justificativas e bodes expiatórios haverá sempre, mas o cerco aperta-se contra Lula, um político cada vez mais isolado a quem o único tecto que sobrará será o da prisão.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s