Eixo Aliado

Há algo travestido nisto tudo.
A política, que sempre foi porca, deu a beber RedBull a muitos e as asas estão a fazer porcos voar.O Eixo, que a ser do mal – nessa apropriação de uma guerra dicotómica, resfriada com a queda de um muro que agora se invoca numa tremenda ignorância; parece se reverter num Eixo do Bem, ou mais, num ‘Aliados’ do Mal.

Se a Coligação em Governo propôs e era mau, é ver agora a nova pseudo-hipotética-patética (desculpem os termos, mas insanáveis que não se juntam, juntos não ficam) fazer uma fotocópia do original que antes a PàF apresentou.

Ler Catarina Martins, a transparente Bloquista  no DN, é ter perfeita noção de que as cedências eleitorais são o bilhete de ingresso garantido para ascensão ao poder, e já agora, a um lugar governamental a curto prazo.

Mas as inopinadas opiniões não se sustêm apenas ai. Se Marcelo ambiciona ser Presidente, tem no seu mini-eu, o anão lubrico – agora aos Domingos; a prestar-se ao papel de dizer as verdades parciais de agrado ao futuro líder das vychissoises ‘requentadas’.

Mas perante a insandecência que esta praça se tornou, onde a consequência é inconsequente, e os Reinados aparentam ir durar mil anos, pergunto-me, sabendo de ante-mão a resposta que eu próprio em silêncio me dou: onde anda Mário Soares?
Sim, o mesmo que visitou Sócrates ‘n’ vezes na cadeia em Évora, e depois, já em Lisboa, por três dias seguidos se deslocou em romaria ao nº 33 da Rua Abade Faria e, simpaticamente, cedeu o seu carro para que este fosse votar.

DEBATE.jpg

O seu silêncio encanta-me.
De um momento para o outro parece que Soares é um velhinho simpático que não leva a vida a sério. Que apenas brinca e, sem querer, quebra um acordo estabelecido por tempo indeterminado.

Na verdade sabe que o peixe grande come o pequeno, a lagartixa maior come a menor, e que o Homem se come um ao outro. Mas a morte, essa grande invenção, é o que define a vida de todos nós. E a sua já não é para sempre.

Será que este desastre que ocorre tem a sua ‘bendição‘? Ou é apenas uma mudança natural…

O seu silêncio encanta-me.
Pois a ser de ouro, faz o resto parecer pirite.
E os tolos somos nós, travestidos a olhar este Eixo de Aliados em formação.

Texto inspirado no poema ‘Me gusta Dios’ do mexicano Jaime Sabines, interpretado pelo grupo de travestis Los Quintana.

One Comment Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s