Futungo

Se África é o berço da Humanidade, Angola é o berço da corrupção.
Nem tanta certeza, nem tanta objectividade.

Serei objectivo.
Certo é que “África é o continente mais pobre do mundo – e também o mais rico. Embora concentre apenas 2% do PIB mundial, alberga 15% das reservas de petróleo, 40% do ouro e 80% da platina. No seu subsolo jaz um terço das reservas minerais do planeta. Mas o que poderia constituir a salvação do continente é, pelo contrário, uma maldição.”
Mas só para alguns, a maioria, claro está.

Se na História Moderna da Humanidade tivemos o processo Expansionista com o Colonialismo no século XVI, a verdade é que na História Contemporânea temos a reconquista dos Colonizadores pelos Colonizados.
E nisto, entre uma África onde o Apartheid foi flagelo a Sul, surge a Democracia em Angola.

Se a culpa Católica da escravatura se fazia ainda sentir na descolonização, quando se gritou Liberdade em Portugal e Angola se torna independente a 11 de Novembro de 1975 a guerra interna prosseguiu na clara divisão ideológica entre UNITA, FNLA e MPLA.
Ao gritarem todos Independência, Angola, sendo de todos, era de ninguém, e assim ficou até 1992, ano das primeiras eleições ‘democráticas’, quando o MPLA de José Eduardo dos Santos, marxista-leninista, toma posse do País.

A guerrilha só termina em 2002 com o assassinato de Jonas Savimbi, líder da UNITA, época em que a ideologia importada directamente do Kremlin cai e a ‘democracia’ Angolana se faz “criptocracia“.
Começa o emaranhado das complexas teias de relações entre o crescente poder chinês, a corrupção das elites de Luanda e o delapidar do património natural de Angola.

futungo.jpg

A estabilidade do Estado advém do pré-sal – o ouro negro em profundidade; loteado em contratos espúrios e obscuros a empresas multinacionais através da empresa pública Sonangol, dirigida por Manuel Vicente, braço direito, esquerdo e o ‘one man show’ do Presidente.

Junto com ele outros dois nomes surgem na lista das elites de generais a quem tudo se dá e nada se deve:
Leopoldino Fragoso do Nascimento – Dino; e Manuel Hélder Vieira Dias Júnior, mais conhecido como Kopelipa.
Se os seus nomes já antes se viram referenciados por Rafael Marques, agora têm, junto com toda a corrupção Angolana, um capitulo dedicado no livro “A Pilhagem de África” do jornalista do Financial Times, Tom Burgis, correspondente durante as últimas duas décadas em África, sobretudo Angola, e amplo conhecedor da cúpula do poder no Futungo, esse velho Palácio Presidencial de herança colonial onde tudo se passa.

Só que as heranças têm um preço a pagar, e da mesma forma que a escravatura foi abolida, também a epidemia de corrupção um dia o será.

E quem sabe, no seio da Família dos Santos esse dia chegue em breve, pois quando o patriarca que sustenta a ilusão do poder eterno está doente e a sua democrática substituição no poder for levada a eleições, tudo mude e a justiça Angola que padece de visão objectiva, fique cega de vez.

Não estou certo, mas fui objectivo.

Se de paralelos me traço, e uma vez que a ascensão de Hitler a líder na Nação Germânica se fez com o incêndio do Reichstag, imagino o Futungo em chamas, fazendo das culpas culpados dessa opacidade letárgica que faz comprava a inexistente separação entre o privado e o Estado, e a Família Angolana no poder Reinante líderes eternos.

É que é justo com a eternização do Estado que se faz o futuro.

Num volte de face a Endiama, empresa de diamantes do Estado Angolano, responsabiliza o Estado Português e duas empresas públicas devido a uma falência técnica.
E a explicação a não ser despótica é deliciosa.

Citando o Ministro Angolano Francisco Queiroz:
“Processo com o Estado é melhor negociar. Porque o Estado é perene, está aqui para sempre. E os investidores precisam do Estado, não vale a pena criar clivagens, criar conflitos e hostilizar o Estado, onde se tem necessidade de investir”

Assim, sem compromisso de mora, demora que por aqui ficaremos.

Anúncios

One Comment Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s