A minoria exótica soube que existia e, por reflexo sem reflexão, sentiu-se acossado pela análise que Maria de Fátima Bonifácio fez a uma rasa proposta que o Partido Socialista fez para mais uma introdução de quotas numa estagnada Sociedade onde nos regemos pelo unanimismo.

Explico:
Queremos unanimidade, estar de acordo com tudo e todos, e que a discórdia seja a concórdia em si. Somos a bem pensante Esquerda das causas Humanas, nunca essa Direita Facho-Capitalista que tem mais olhos que barriga. Simplistas e em concordância com a carneirada. Unânimes.

Só que não. E pior, nem uma suposta Social Democracia o soube interpretar e decidiu, à imagem do Director do Jornal Público – cujo editorial embaraça a Liberdade de Expressão numa Democracia Livre e Plural – lançou críticas persecutórias em busca política desse apaziguamento unanime para a todos agradar. A assessora do PSD na Câmara Municipal de Lisboa juntou-se aos “Valores Morais dos Brancos” de Daniel Oliveira no Expresso para nada disto compreender.

O problema é a forma simplista como se debate o tema. Nem a Maria de Fátima Bonifácio falta razão, nem Marta Mucznik acerta por completo. (Daniel Oliveira perde de novo a sua identidade)
Ambas jogam sempre no seguro de colocar o dedo na ferida cultural mas nunca ir directas ao ponto fulcral: discriminação.

Fala-se em discriminação positiva, negativa, meritocracia.
Tretas. Há apenas uma Sociedade deseducada com preconceito enraizado. Discriminação e cunhas em excesso. Amiguismo e Jobs for the Boys (and Girls – paridade, por favor).

Portugal segue o Império que há muito deixou de ser. E a queixa crime que o SOS Racismo diz apresentar contra a autora do texto em questão apenas prova essa teoria.
O politicamente correcto inseriu-se de tal forma enraizado nas poluídas mentes da defesa das minorias face ao que deveria ser a inclusão no todo, que o que fazem é segregar as minorias a um reduto de preconceito cada vez maior.

Quatro anos de Geringonça racionalizaram o viés étnico-racial que nos habita. Se não de uma forma, de outra. Os versos. Ou se é de Esquerda, ou se é de Direita. In extremix, o excesso de se ser PAN. É o dito – inexistente – planeta B.
Eu pessoalmente, mais caucasiano que sou, vi-me enredado no lodo histórico de voltar a ser “fascista” por herança familiar.
Vivemos o reality show de se apontar dedos por pensar e não ser carneiros.
A ostraca, como bem escreve Helena Matos, voltou.

E nisto perde-se o fio à meada. A eterna questão de quotas. O paradigma absurdo de balizar uma possível meritocracia pelo perfil étnico de cada um é em si mesmo um demérito para uma Sociedade que se diz Democrática. Em vez de olharmos e compreendermos o cariz cultural de comunidades que, sendo Portuguesas se sentem expatriadas ou de origem heimatloss, buscamos uma integração forçosa – maioritariamente suportada pelos cofres Estatais – para uma questão cuja solução é demasiado simples:
Reciprocidade.

“Mesquitas em Lisboa? Igrejas em Riade!”
Casamentos entre menores? Fere a Constituição, não é cultura, é crime.
Escolaridade obrigatória completa.
Civismo em troca de Respeito. Sem quotas, sem preconceitos acessórios. Só educação.
Haja esperança.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.