Esta “crise” merece que se seja politiqueiro:

Mas afinal Portugal é um país à Esquerda ou Direita, Direitos ou Obrigações? 25 de Abril Sempre! ou a inveja Camoniana em fim de Ode?
Não foi o PS com o seu braço braço armado que prometeu no OE2018 devolver o tempo integral aos Professores?

(porquê só a eles?)

Não foi o mesmo PS que se desdisse sobre esse facto para negociar um corte feito no tempo de Sócrates?
E não foi o PS da Geringonça que esperava contar com uma Direita sua amiga desse Portugal da inveja encapotada na máquina sindical do 25 de Abril para limitar algo que o seu apoio governamental iria exibir como espantalho de uma vitória proposta mas não lograda?

Este é o país do 25 de Abril, não do 25 de Novembro, e isso ficou patente nesta pré-votação. Ou a Assembleia, nomeadamente o Governo, esqueceu-se do preâmbulo à Constituição da República, presente desde 1976?

A Assembleia Constituinte afirma a decisão do povo português de defender a independência nacional, de garantir os direitos fundamentais dos cidadãos, de estabelecer os princípios basilares da democracia, de assegurar o primado do Estado de Direito democrático e de abrir caminho para uma sociedade socialista, no respeito da vontade do povo português, tendo em vista a construção de um país mais livre, mais justo e mais fraterno.”

Ou seja, não foi esta “crise” efeito desse “caminho para uma sociedade socialista”?

A opinião publicada iludiu a opinião pública na certeza desse desígnio nacional. Mas nem todos seguiram esse fado.
José Manuel Fernandes e Maria João Avillez perceberam a patranha por estarem ausentes quando a crise decorria. Rui Ramos foi lúcido sobre a mesma.
Pessoalmente estranho a ambivalência de critérios.

Não percebo como aceitar o que antes o próprio Partido Socialista – e a Geringonça – propôs (acrescentando-lhe inclusive caveats) – e é disso que se trata, nada mais – faz do PSD e CDS partidos irresponsáveis.
Não faz. Apenas os torna justos em meio de justiceiros onde a mentira se perpétua.

Os cofres não estão cheios e a página da austeridade não foi virada. Ou só um ‘poucochinho’ nesse eterno caminho ao Socialismo.
Que se reescreva o preâmbulo de ‘76 e termine esta caminhada a lugar nenhum.
Socialismo é querer tudo a toda a hora, por todos e de igual forma.
Não dá.

E nisso António Costa percebeu quando salvou a pele na sua autoproclamada vitória; uniu-se ao ingovernável para esvaziar com quem sempre fez sentido criar pontes.
Tentou adestrar um país à igualdade do querer, no sofrimento do não poder. Equilíbrio entre a vontade da Esquerda com a negação da Direita.

Nesta crise saiu-lhe o tiro pela culatra e ameaçou sair pela porta do bandido. Pior, ainda se disse o Governo eleito, como se mandatado fosse.

No final já se sabe quem lhe sobrou como apêndice natural, pela mesquinhez política e igualdade maliciosa: o Bloco ficará com este PS no futuro.
Os outros estão na deriva dos votos eleitorais. Resta saber que rumo tomam os Portugueses.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.