Manneken Pis

O politicamente correcto atingiu o seu limite de insegurança.
A Europa condena-se a cada momento que posterga para uma enrodilhada discussão de alianças de interesses a vinda advinda de quem se quer aqui proteger enquanto o mal já aqui dentro existe.

Os bárbaros ataques – por falta de melhor palavra para descrever algo que começa a tornar-se num comum dia-a-dia Europeu que corre o risco de se tornar banal – são o atingir de um pináculo na forma como o DAESH conduz a sua invisível operação de interesses infiltrados.

Bruxelas é o coração político e económico Europeu. Atingi-lo de forma tão grosseira e objectiva é o mesmo que ir de encontro com as torres gémeas, o Pentágono ou mesmo falhar o Capitólio nos EUA. Seguir o inquérito sem agir, ainda que numa irracionalidade bruta como ocorreu no imediato do 11 de Setembro, apenas leva à permissividade que gerou, após Paris, Bruxelas.

Só que a reacção não se cinge a uma retaliação bélica épica que irá desencadear a epopeia desejada do medo. Isso é justo o que os extremistas anseiam para libertar os infiéis.
Não, a reacção esperada por parte de uma Europa dessintonizada, em atraso num planeamento técnico face à ameaça externa, é o unir de forças especiais ao combate que nos chega do exterior e que aqui dentro reside.

Manneken Pis net.jpg

Sou apologista da Liberdade, mas não se pode viver no medo de a viver plenamente. Por tal é preferível prescindir dessa plenitude em prol da segurança que o controlo de parte da mesmo pode ajudar em combater essa ameaça “externa!.

Schengen deve ser repensado. O controlo interno entre países existir na medida que a tecnologia permitir. As fronteiras serem feitas a realidade digital que a física não concebe.
A Europa deve rever as suas constituições sobre essa ameaça externa que nos habita internamente e a forma de tratamento a dar-lhe.

Sobretudo compreender que não é a repetir os procedimentos do passado, entrando em linhas políticas extremistas, que se resolve a situação.
Esse caminho, seguro, leva-nos à desejada guerra entre duas eras cuja evolução de princípios está tão distante quanto a vontade em definir a Liberdade que se deseja.

In the face of aversion, ‘pis‘ on fear and live life always!

imagem retirada da internet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s