Manifestum

MANIFESTO PELO MELHOR da Nação que deu novos Mundos ao Mundo, edificada na memória, das brumas que a história tem, entre o cerco Mouro conquistado, proclamado por El Rei, o país que dá pelo nome de Portugal.

Do País que cortou o laço maternal, forjado na espada, e assumiu a paternidade. Do País que se aventurou e fez das ondas terra firme do traçado. Do País que plantou a semente onde germinou o pinhal dos Descobrimentos. Do País que esqueceu na esperança do retorno, no dia branco de nevoeiro. Do País que derrotado, lutou de enxada a reconquista. Do País que se lembra quando os ventos nada de bom traziam. Do País que se semeia e colhe, despótico, altruísta e tentador. Do País feito dos campos que se elevam e dão vales e montanhas. Do País que se aumenta e que a terra não cresce. Do País dos mesmos, dos mil quinhentos. Do País que se aponta e dedica, entrega e contradiz. Do país dos bufos, dos falantes, dos burros e génios errantes. Do país da história, cotovia e codorna, sereia e tritão. Do país fluvial que fez do mar a direcção.

pagode.jpg

Da vontade que o esquecimento faz memória, que desta terra nasce aquilo que é, o melhor de Portugal.

in nomine Patris et Filii et Spiritus Sancti.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s