Rédeas Sociais

O Mundo Moderno não precisa mais de espiões. Não daqueles como se viam nos filmes do antigamente.

A contra-espionagem, a de roubar segredos, acabou.

Desde Snowden que a espionagem já não é mais a mesma.
Tudo fica em risco quando o ‘vírus’ que elimina a própria criação é por ela criado.
É um clássico mito da criação Humana.

 

Hoje vivemos num permanente estado policial onde a delação integral uns dos outros está aqui, no digital, do dito por não dito, da consequente verdade, que transparece como inevitável, e que fica para todo o sempre: as Redes Sociais.

 

earth
“Framed Reversed”

 

A verdade é que, para quem as usa – eu sou um deles; há um código de deontologia e ética profissional, se de uma profissão se tratasse, que deveria reger aquilo que se publica, diz, faz dizer, trata e faz tratar, quem existe aqui enquanto ser que vive e respira, ou por tal responde.

Ver a vida de alguém transcrita numa vida acrílica e digital é acreditar que podemos ser mais do que na verdade somos.

É crer que vivemos num permanente estado de euforia na partilha incansável de tudo o que dizemos, fazemos, pensamos, muitas vezes sem nada pensar, fazer ou mesmo dizer.

A maioria das vidas não tem interesse, ou pelo menos não num sentido amplo do que define a palavra interesse.

Será que vivemos de facto, ou há um facto a ser vivido?

 

Saber articular palavras não é apenas escrever frases com um estrito sentido verbal, é mais. É saber que no inerente sentido daquilo que se escreve, dar conteúdo a uma fluente escrita que é passível de ser lida e compreendida por terceiros.

O uso da palavra e sua ortografia, embora possam e devam evoluir, seguem códios e preceitos milenares, passados entre gerações.

Esta, com a articulação de algo novo, anda não se adaptou à privacidade devassada por escolha pessoal.

 

A vida em Sociedade tem regras, e nas redes sociais deveria também ter. Mas não.

Aqui as pessoas permitem-se ser, ou ter, mais visível uma sua faceta que se mantêm mais anónima do que pública. Como disse antes: devassamos-nos por opção, ou fazemos disso um teatro de variedades.

Dizem mais o que pensam, ou justo o contrário: falam sem pensar, apenas para poderem – porque podem; articular livremente o seu pensamento.

 

Eu partilho incessantemente a minha verborreia, nessa minha incontinência de pensamento, aqui, como nas redes sociais, assim como no exterior, onde o realismo é saboreado pelo ar que respiro e o som da palavra ressoa nos tímpanos nus de quem me ouve perto da saliva que repercute as minhas palavras. É táctil.

 

Por isso digo que as redes sociais, nesta adaptação ao Mundo em que se vive e tudo se quer saber sem nada informar, são mais rédeas sociais, mantendo um artificioso controlo da artificial vida que se quer pretender viver.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s