Verniz estalado.

Gaspar Macedo

(texto original de Gaspar Macedo)

Cara deputada. Ultimamente tem sido ridicularizada por, em pleno debate sobre o Orçamento de Estado, ter sido fotografada a pintar as suas unhas.
Muitos dizem que é “uma falta de respeito”, uma “anormalidade”, um “ultraje” e uma “tristeza” mas, para mim, é apenas o perfeito reflexo do trabalho atualmente feito na Assembleia da República.

isabel

Eu defendo que a deputada não é nenhuma anormalidade, num parlamento onde deputados e governantes (independente dos partidos) mentem nas moradas para receber subsídios de alimentação, deslocação e alojamento. Elza Pais, do Partido Socialista, recebeu 2100 euros por mês apenas em subsídios por declarar a sua residência em Mangualde embora vivesse em Lisboa.

Em abril de 2018 chegou a público os milhares de euros de que vários deputados beneficiaram ao receberem em duplicado o valor das viagens que faziam em “nome do interesse nacional”.
Carlos César, líder parlamentar do partido socialista e parte desse grupo, logo declarou não se sentir culpado por não ter feito “nada de errado”, sendo que o “atual modelo vigora há décadas e foi utilizado por altos cargos do Estado”. Eduardo Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da Republica, declarou a inocência dos parlamentares que nas suas palavras não tinham “cometido nenhuma ilegalidade”.

Falta de respeito é existirem deputados que faltam praticamente a metade das reuniões plenárias e mentem nas justificações de faltas. Alguns nem se preocupam em justificar.

Triste é existirem parlamentares e governantes que utilizam dinheiro público ou influência institucional para alimentar um estilo de vida luxuoso .
Ficamos surpreendidos quando soubemos que em média, entre 2006 e 2013, os nossos governantes gastaram 295 euros por refeição. Ficamos admirados com a notícia de José Conde Rodrigues , ex-secretário de Estado da Justiça, que gastou 13.657 euros dos fundos públicos na compra de 729 livros para beneficio próprio.

Ficamos pasmados com o caso da ex-Ministra da Saúde Ana Jorge, ao ter usado um cartão de crédito em nome do Estado (para despesas urgentes de trabalho) em lojas de roupa, ourivesarias ou no El Corte Inglés.
Ficamos boquiabertos com o ex-ministro da economia, Manuel Pinho, que recebeu 1 milhão de euros na sua Offshore depois de beneficiar a EDP em vários contratos de parceria.

Em julho de 2017 o país ficou a conhecer o caso dos três secretários de Estado que beneficiaram de viagens pagas pela empresa Galp, antes de ser aprovado um benefício fiscal em dezenas de milhões de euros à mesma empresa. José Sócrates defendeu que as críticas se tratavam de “um excesso de patriotismo”, considerando que as suspeitas sobre os governantes eram “estapafúrdias” e António Costa não hesitou em reforçar a “relevante e dedicada colaboração dos três Secretários de Estado nas funções desempenhadas no XXI Governo Constitucional”.

Ultrajante é existirem deputados-advogados que recebem milhares de euros em ajustes diretos por trabalharem em empresas com contratos públicos. Maria Begonha, candidata da JS, recebeu em acumulado 110 mil euros em ajustes diretos.

Por isso, cara deputada, escrevo-lhe esta carta para a defender. Não passa de uma pequena gota de indecência num copo cheio de muita mais. Um copo cheio de promiscuidade e ajustes diretos. Uma Assembleia da República cheia de uma maioria de falsos inocentes que, hoje e tal como nos outros dias todos, não faz mais nada do que encerrar comissões de inquérito e bater anualmente palmas a Orçamentos de Estado que nunca são verdadeiramente aplicados.
A deputada não é o problema. É parte dele.

Tenho dito.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s